Somos Editora

Categorias



Autores

clarindo

Clarindo dos Santos

Aeronáutica

nelson

Nelson de Souza Taveira

Aeronáutica

Miguel

Miguel von Behr

Biomas

imprensa

Neide Pereira Pinto

Infantojuvenil

cabral

Luiz Fernando Cabral

Aeronáutica

maceioka

Fernanda Britto

Meio Ambiente

sergio

Kibo

Quadrinhos - Vida de Cachorro

Faro

Irenio de Faro

História e Cultura



Blog

Autores & Convidados

Justa homenagem.

Somos Editora

Wanderley Duck (*)

Durante a segunda guerra mundial, os americanos estabeleceram uma base aeronaval na cidade de Natal, no Rio Grande do Norte.

O que determinou a escolha do local, não foi o fato de Natal ser uma das mais aprazíveis cidades litorâneas do Brasil, com uma deliciosa e refrescante brisa sempre soprando do mar, mas sim a sua localização estratégica, em uma das extremidades do ponto mais curto de travessia do continente americano para a África.

De Natal até Freetown, a capital de Serra Leoa, são apenas uns 2.900 quilômetros.

Diz a lenda que muitas crianças nascidas naquela época em Natal, foram batizadas com o nome de Usnávi, uma corruptela do “U. S. Navy”, que os natalenses viam escrito nos aviões americanos daquela base.

Não sei se isso foi mesmo verdade, ou se é só folclore, mas não deixa de ser uma história divertida.

Quando os americanos finalmente conseguiram convencer o Getúlio Vargas a deixar de lado a sua simpatia pela Alemanha e entrar na guerra tomando o partido dos Aliados, o Brasil recebeu bastante material bélico, para reforçar as suas defesas.

Foi criada uma tal de Lei de Empréstimo e Arrendamento, ou Lend-Lease, que facilitou bastante essa transferência de equipamento militar.

No meio desse armamento todo, estavam incluídos 30 bombardeiros North American B-25 “Mitchell”, nas versões B, C, D e J, que chegaram no Brasil entre os anos de 1942 e 1944.

Os B-25 eram bombardeiros relativamente pequenos, mas eram muito eficientes e deliciosos de se pilotar, além de serem resistentes e de fácil manutenção, coisa indispensável em um teatro de guerra.

No total, 9.984 deles foram construídos e ajudaram bastante na vitória dos Aliados contra os nazistas e contra os japoneses.

North American B-25 “Mitchell”

Aliás, foi uma esquadrilha desses B-25 americanos que consegui a proeza de decolar sem catapulta de um porta-aviões e fazer o primeiro bombardeio a Tóquio, em uma espécie de resposta ao ataque a Pearl Harbor.

Esse incrível vôo sem volta, cada um dos 16 aviões que participaram da missão pousou ou caiu aonde deu lá na Ásia, aconteceu em abril de 1942 e, além de Tóquio, também destruiu alguns alvos em Nagóia.

Só uns poucos daqueles milhares de B-25 que foram produzidos durante a guerra sobreviveram e hoje estão em museus, ou nas mãos de colecionadores particulares. Não é raro vermos algum desses sobreviventes que pertencem a particulares, se apresentando em shows aéreos nos Estados Unidos.

Foto W.Duck

Era comum os aviões de bombardeio serem batizados com o nome de mulheres, com direito ao nome bem grande e um retrato da homenageada pintados no nariz da aeronave.

Um dos casos mais famosos foi o do Memphis Belle, um Boeing B-17F “Flying Fortress” que foi o primeiro bombardeiro pesado a conseguir completar as 25 missões exigidas das tripulações, antes que elas pudessem dar baixa e voltar para casa.

Conhecidos como Fortalezas Voadoras, esses quadrimotores fizeram um estrago danado na parte nazista da Europa.

O Memphis Belle foi praticamente destruído na última missão, mas mesmo assim conseguiu pousar e, depois de restaurado, foi para um museu dos Estados Unidos, aonde se encontra até hoje.

A senhorita de Memphis que foi a musa desse B-17, se chamava Margaret Polk e era a namorada do então Capitão Robert Knight Morgan, o comandante do avião.

United States National Archives

Um outro caso clássico é do Enola Gay, o Boeing B-29 “Superfortress” que jogou a bomba atômica em cima de Hiroshima.

Enola Gay Tibbets era o nome da mãe do comandante da aeronave e também chefe do esquadrão aéreo encarregado do lançamento de todas as bombas nucleares que foram e que seriam produzidas pelos americanos, o Coronel Paul Tibbets.

Arq. pessoal

O Coronel Paul Tibbets, posando ao lado do Enola Gay.

E já que americano pode, brasileiro também pode e, por conta disso, alguns dos bombardeiros da nossa força aérea também tiveram o nome de suas musas pintados na fuselagem.

O caso mais pitoresco foi o da Maria Boa, que foi homenageada por um daqueles B-25 que vieram a reboque da entrada do Brasil na guerra do lado dos americanos.

Arq. da Força Aérea Brasileira

Tratava-se de um North American B-25J “Mitchell”, que na Força Aérea Brasileira recebeu a matrícula FAB 5071.

Arq. da Força Aérea Brasileira

Infelizmente eu não tenho nenhuma foto “de corpo inteiro” do Maria Boa, a única que tenho é a de um modelo dele, muitíssimo bem confeccionado por sinal.

Aeromodelo construído e fotografado pelo Guick, de Curitiba.

Da homenageada, a Maria Boa, eu também não tenho nenhuma foto de corpo inteiro, somente este pequeno retrato.

Na verdade Maria Boa era só um apelido, o seu nome de batismo era Maria Oliveira Barros.

Nascida em Campina Grande, na Paraíba, ela era a dona do mais famoso e mais agitado bordel da cidade de Natal, naquela época da base aero-naval dos americanos.

Não há como negar que ela foi uma das muitas heroínas da época do chamado esforço de guerra…

Maria Oliveira Barros, a Maria Boa (1920-1995)

Fonte: http://www.aeroenauta.com.br/

____________________________________________

Novos títulos em nossa loja virtual! Clique Aqui.





Deixe uma resposta


3 − = 2



Somos Editora | Av. Dr. Adhemar de Barros, 1817 | São José dos Campos | SP | Fones: 12 3322-9113 / 3322-9114 | email: contato@somoseditora.com.br