Somos Editora

Categorias



Autores

clarindo

Clarindo dos Santos

Aeronáutica

nelson

Nelson de Souza Taveira

Aeronáutica

Miguel

Miguel von Behr

Biomas

imprensa

Neide Pereira Pinto

Infantojuvenil

cabral

Luiz Fernando Cabral

Aeronáutica

maceioka

Fernanda Britto

Meio Ambiente

sergio

Kibo

Quadrinhos - Vida de Cachorro

Faro

Irenio de Faro

História e Cultura



Blog

Autores & Convidados

A Somos Editora lançou, no dia 9 de dezembro, o livro Guido Pessotti: mestre do design aeronáutico do jornalista especializado em aviação, Mário Vinagre.

A obra teve o apoio da Embraer e foi realizada via LIF – Lei de Incentivo Fiscal da Prefeitura de São José dos Campos (Lei Municipal nº 192/99), por meio da Fundação Cultural Cassiano Ricardo.

O evento de lançamento foi realizado na APVE e contou com a presença dos familiares e amigos de Guido Pessotti, de autoridades militar e civil, VPs e pioneiros da Embraer, dos diretores, dos presidentes executivo e deliberativo e vice-presidente da APVE.
Compareceram, assim como nós da Somos Editora, os apaixonados por aviação.
Agradecemos as mais de duzentas pessoas que prestigiaram o evento!
Confiram as fotos que selecionamos!
CRÉDITO DAS FOTOS: Divulgação/Lucas Lacaz Ruiz – Agência A13

Da esq. p/ dir: Fábio Alarcon, sua esposa Karen Fabiana Pessotto Alarcon, Mônica Pessotto de Mendonça Maria, seu marido Carlos Alberto Marques Maria, a filha de ambos, Ana Carolina, Caio Marcos Franck Pessotto, Aline Cristiane Nogueira Pessotto e seu marido Jorge Andre Franck Pessotto. No centro da foto, dona Tanya, irmã de Guido e o autor

Mário Vinagre autografando sua obra

Da esq. p/ dir: Durval Santos de Oliveira e Edno Tsukamoto, veteranos da FAB com o engenheiro Paulo Furtado (ex-Embraer)

Da esq. p/ dir: Engenheiros Irajá Buch Ribas e José Renato Melo (ex-Embraer), com Emilio Matsuo, Vice-Presidente e Engenheiro-Chefe da Embraer e senhora Priscila Vidal Milioni, Diretora de Patrimônio Cultural da Fundação Cultural Cassiano Ricardo

Da esq. p/ dir: Cel-Int Humberto Alvim, do DCTA, sua esposa Virgínia Silveira Alvim, correspondente do jornal Valor Econômico em São José dos Campos e Ricardo Santos, Assessor de Imprensa da Embraer

Da esq. p/ dir: Brig Eng Ronaldo Yuan, Vice-Diretor do DCTA, o artista plástico José Maria Ramis Melquizo e Rubens Beltrão de Melo (ex-Embraer)

Da esq. p/ dir: Cel Av Ref Antonino Frigini (Embraer), Edno Tsukamoto, veterano da FAB, Paulo Kasseb e Maurício Orai, do Grupo de Encenação da Força Expedicionária Brasileira (FEB) em São Paulo, e o Dr. Décio Moreira

Julia Alencar

Dr. Itamar Coppio, Vice-Prefeito de São José dos Campos, conversa com Mário Vinagre sobre a promessa de nomear uma obra de destaque do executivo municipal em homenagem ao engenheiro Guido Pessotti

Da esq. p/ dir: engenheiros Marcelo Ramón Ferroni, Diretor-Técnico da Novaer, e Mauro Kern, Vice-Presidente Executivo de Operações

Dona Tanya Pessotto de Mendonça, irmã de Guido, cumprimenta o autor

Da esq. p/ dir: Marlene Vinagre, esposa do autor, Mário Vinagre, Mariana Luz, Diretora-Superintendente do Instituto Embraer de Educação e Pesquisa, Priscila Vidal, Diretora de Patrimônio Cultural da Fundação Cultural Cassiano Ricardo, Emilio Matsuo, Vice-Presidente e Engenheiro-Chefe da Embraer, Heretiano Luiz Martins Dias, Presidente da APVE, e Neide Pereira Pinto, proprietária da Somos Editora

Da esq. p/ dir: Antonio Carlos de Oliveira, Marisa Nunes Pera e Julia de Castro, todos da Fundação Cultural Cassiano Ricardo, Neide Pereira Pinto, proprietária da Somos Editora e Virgínia Silveira Alvim, correspondente em São José do jornal Valor Econômico

Da esq. p/ dir: Thiago Pêgas, presidente da ETEP, Letícia Wielewicki de Resende, Cítrica Comunicação e Marketing e os engenheiros mecânicos da turma de 1999, Caio Pessotto (Embraer), Claytn Alves (Heatcraft) e Ricardo Adrião (Ti Automotive).

Diretores da APVE. Da esq. p/ dir: Neide Pereira Pinto, Diretora Cultural, Paulo Cesar Pampolha da Silva, Vice-Presidente, Avelino dos Reis, Diretor de Infraestrutura, Mauri Mendes de Oliveira, 1º Diretor Financeiro, Alfredo Gonçalves da Silva, Diretor de Bem-Estar, Luciano de Paula N. Peixoto, Diretor Social, Adão Alves Brandão, Diretor de Assistência Social, e Terezinha Czerwinski, secretária.

Da esq. p/ dir: Irajá Buck Ribas, Fabiana Pessotto Alarcon, dona Dagmar da Silva, Neide Pereira Pinto, Maria das Graças Vieira Henriques e Paulo Furtado

Da esq. p/dir: Em primeiro plano, Mariana Luz, Neide Pereira Pinto e Emilio Matsuo

Da dir. para esq.: Beto, Marilda e Marlene

Da dir. p/ esq.: Carol, Graça, Brandão, Alessandra, Julia, Sergio e Neide

Famílias Sakamoto, Pessotti e Alencar

Família Sakamoto no momento do autógrafo

Da dir. p/ esq.: Chico Galvão e Kazumi Sakamoto

Da esq. p/ dir.: Irajá Ribas, Karen Pessotto, dona Dagmar da Silva, Neide Pereira Pinto, Graça e Eng. Furtado

Mário Vinagre e Brandão

Da dir. p/ esq.: Sr. Durval, Eng. Paulo Furtado e Mauri

Da dir. p/ esq.: Eng. Irajá Ribas, Mário Vinagre, Neide e Eng. Paulo Furtado

Caio Pessotti, filho de Guido Pessotti, autografando o livro sobre a biografia do seu pai

O artista plástico Ramis

O autor do livro, Mário Vinagre, se dirige ao público presente ao evento

Mariana Luz, Diretora-Superintendente do Instituto Embraer de Educação e Pesquisa, dirige a palavra aos convidados

Emilio Matsuo, Vice-Presidente e Engenheiro-Chefe da Embraer, ressalta a importância da herança técnica deixada por Guido Pessotti, fortemente presente ainda hoje na empresa

Priscila Vidal Milioni, Diretora de Patrimônio Cultural da Fundação Cultural Cassiano Ricardo

Dr. Itamar Coppio, Vice-Prefeito de São José dos Campos, dirigindo a palavra aos convidados

O presidente da APVE, Heretiano Luiz Martins

Comente este post


Somos Editora

Wanderley Duck (*)

Durante a segunda guerra mundial, os americanos estabeleceram uma base aeronaval na cidade de Natal, no Rio Grande do Norte.

O que determinou a escolha do local, não foi o fato de Natal ser uma das mais aprazíveis cidades litorâneas do Brasil, com uma deliciosa e refrescante brisa sempre soprando do mar, mas sim a sua localização estratégica, em uma das extremidades do ponto mais curto de travessia do continente americano para a África.

De Natal até Freetown, a capital de Serra Leoa, são apenas uns 2.900 quilômetros.

Diz a lenda que muitas crianças nascidas naquela época em Natal, foram batizadas com o nome de Usnávi, uma corruptela do “U. S. Navy”, que os natalenses viam escrito nos aviões americanos daquela base.

Não sei se isso foi mesmo verdade, ou se é só folclore, mas não deixa de ser uma história divertida.

Quando os americanos finalmente conseguiram convencer o Getúlio Vargas a deixar de lado a sua simpatia pela Alemanha e entrar na guerra tomando o partido dos Aliados, o Brasil recebeu bastante material bélico, para reforçar as suas defesas.

Foi criada uma tal de Lei de Empréstimo e Arrendamento, ou Lend-Lease, que facilitou bastante essa transferência de equipamento militar.

No meio desse armamento todo, estavam incluídos 30 bombardeiros North American B-25 “Mitchell”, nas versões B, C, D e J, que chegaram no Brasil entre os anos de 1942 e 1944.

Os B-25 eram bombardeiros relativamente pequenos, mas eram muito eficientes e deliciosos de se pilotar, além de serem resistentes e de fácil manutenção, coisa indispensável em um teatro de guerra.

No total, 9.984 deles foram construídos e ajudaram bastante na vitória dos Aliados contra os nazistas e contra os japoneses.

North American B-25 “Mitchell”

Aliás, foi uma esquadrilha desses B-25 americanos que consegui a proeza de decolar sem catapulta de um porta-aviões e fazer o primeiro bombardeio a Tóquio, em uma espécie de resposta ao ataque a Pearl Harbor.

Esse incrível vôo sem volta, cada um dos 16 aviões que participaram da missão pousou ou caiu aonde deu lá na Ásia, aconteceu em abril de 1942 e, além de Tóquio, também destruiu alguns alvos em Nagóia.

Só uns poucos daqueles milhares de B-25 que foram produzidos durante a guerra sobreviveram e hoje estão em museus, ou nas mãos de colecionadores particulares. Não é raro vermos algum desses sobreviventes que pertencem a particulares, se apresentando em shows aéreos nos Estados Unidos.

Foto W.Duck

Era comum os aviões de bombardeio serem batizados com o nome de mulheres, com direito ao nome bem grande e um retrato da homenageada pintados no nariz da aeronave.

Um dos casos mais famosos foi o do Memphis Belle, um Boeing B-17F “Flying Fortress” que foi o primeiro bombardeiro pesado a conseguir completar as 25 missões exigidas das tripulações, antes que elas pudessem dar baixa e voltar para casa.

Conhecidos como Fortalezas Voadoras, esses quadrimotores fizeram um estrago danado na parte nazista da Europa.

O Memphis Belle foi praticamente destruído na última missão, mas mesmo assim conseguiu pousar e, depois de restaurado, foi para um museu dos Estados Unidos, aonde se encontra até hoje.

A senhorita de Memphis que foi a musa desse B-17, se chamava Margaret Polk e era a namorada do então Capitão Robert Knight Morgan, o comandante do avião.

United States National Archives

Um outro caso clássico é do Enola Gay, o Boeing B-29 “Superfortress” que jogou a bomba atômica em cima de Hiroshima.

Enola Gay Tibbets era o nome da mãe do comandante da aeronave e também chefe do esquadrão aéreo encarregado do lançamento de todas as bombas nucleares que foram e que seriam produzidas pelos americanos, o Coronel Paul Tibbets.

Arq. pessoal

O Coronel Paul Tibbets, posando ao lado do Enola Gay.

E já que americano pode, brasileiro também pode e, por conta disso, alguns dos bombardeiros da nossa força aérea também tiveram o nome de suas musas pintados na fuselagem.

O caso mais pitoresco foi o da Maria Boa, que foi homenageada por um daqueles B-25 que vieram a reboque da entrada do Brasil na guerra do lado dos americanos.

Arq. da Força Aérea Brasileira

Tratava-se de um North American B-25J “Mitchell”, que na Força Aérea Brasileira recebeu a matrícula FAB 5071.

Arq. da Força Aérea Brasileira

Infelizmente eu não tenho nenhuma foto “de corpo inteiro” do Maria Boa, a única que tenho é a de um modelo dele, muitíssimo bem confeccionado por sinal.

Aeromodelo construído e fotografado pelo Guick, de Curitiba.

Da homenageada, a Maria Boa, eu também não tenho nenhuma foto de corpo inteiro, somente este pequeno retrato.

Na verdade Maria Boa era só um apelido, o seu nome de batismo era Maria Oliveira Barros.

Nascida em Campina Grande, na Paraíba, ela era a dona do mais famoso e mais agitado bordel da cidade de Natal, naquela época da base aero-naval dos americanos.

Não há como negar que ela foi uma das muitas heroínas da época do chamado esforço de guerra…

Maria Oliveira Barros, a Maria Boa (1920-1995)

Fonte: http://www.aeroenauta.com.br/

____________________________________________

Novos títulos em nossa loja virtual! Clique Aqui.

Comente este post


Somos Editora

A Embraer realizou na sexta-feira o voo inaugural do terceiro protótipo do jato executivo Legacy 500. “A campanha de testes contará com quatro aeronaves e tem o objetivo de garantir que todos os sistemas e características da aeronave alcancem maturidade antes da entrada em serviço”, disse em nota Ernest Edwards, presidente da Embraer Aviação Executiva. Os dois primeiros protótipos já registraram 122 horas de vôo em 66 ciclos. O Legacy 500 número de série 003 vem fazendo testes em solo de aviônica, ruído, sistemas elétricos e interior. O modelo é o primeiro jato da categoria midsize com o sistema de comandos de voo fly-by-wire (totalmente eletrônico), e o primeiro jato da categoria com uma cabine de 1,82 metro, piso plano e cozinha completa.

_______________________________________________

Conheça nossos novos títulos aqui!

Comente este post


Somos Editora

Companhia aposta em um crescimento anual de 12% até 2020 de olho em novos projetos na área de aviação militar, monitoramento por radares e vigilância aérea; pedidos já chegam a R$ 3,5 bilhões

A Embraer Defesa e Segurança, uma unidade de negócios da Embraer, de São José dos Campos, projeta crescimento de dois dígitos ao longo dos próximos anos. A direção da unidade estima crescimento médio anual de 12% até 2020.

Para este ano, a expectativa é que a companhia deve crescer 25% no faturamento em dólares, similar aos 24% de alta alcançada no ano passado quando, pela primeira vez, a unidade faturou US$ 1 bilhão.
O presidente da companhia, Luiz Carlos Aguiar, relatou à imprensa, durante visita às instalações da unidade em Gavião Peixoto, interior de São Paulo, que a participação da empresa na receita geral da Embraer saltou de 6% em 2006 para 17% no ano passado.
A Embraer Defesa e Segurança fechou 2012 com uma carteira firme de negócios no valor de R$ 3,5 bilhões.
A meta da empresa é ampliar sua participação nesse segmento, considerado fechado, e abocanhar uma grande fatia dos mercados nacional e internacional de defesa e segurança, estimado em mais de US$ 80 bilhões nos próximos anos.
“O mercado de defesa está reduzindo de tamanho e crescer em um mercado que está reduzindo é uma conquista importante”, disse Luiz Carlos Aguiar.
O executivo destacou que, atualmente, a Embraer Defesa e Segurança está presente em 50 forças aéreas, em 48 países.

Avanço. O portfólio da companhia contempla aeronaves militares, como o Super Tucano e o cargueiro KC-390, em fase de desenvolvimento, projetos e soluções para a área de inteligência, comunicação, tecnologia de ponta na produção de radares e vants (veículos aéreos não tripulados).
“Nosso compromisso é ser líder no fornecimento de soluções de defesa e segurança no mercado nacional e onde o Brasil possui bom relacionamento”, disse.

‘Queremos ser líder no mercado que atuamos’
Luiz Carlos Aguiar, presidente da Embraer Defesa e Segurança, afirma que a unidade de negócios da Embraer trabalha com a missão de ser líder nos segmentos que atua e planeja atuar e expandir.
“Temos a expertise, a determinação e o DNA da Embraer, que é a empresa-mãe. Por isso, procuramos sempre o melhor em tudo o que fazemos”, afirmou o executivo. Ele lembra que a Embraer Defesa e Segurança foi criada formalmente em 2011 e que já subiu 14 posições no ranking mundial das empresas na área de defesa. Passou da 95ª para 81ª posição.
O executivo destaca que o compromisso da companhia é ser líder no fornecimento de soluções de defesa e segurança no mercado brasileiro e naqueles em que o Brasil possui um bom relacionamento geopolítico. No Brasil, disse o executivo, a intenção é fornecer equipamentos, serviços e soluções tecnológicas para as três Forças: Marinha, Aeronáutica e Exército. Para isso, a empresa tem feito parcerias e aquisições de outras companhias do segmento.

Fonte: O Vale

Comente este post


Somos Editora

Mais do que simplesmente escrever, um escritor deixa o egoísmo de lado e faz de seu mundo o dos outros. Ele cria histórias ou às vezes somente as reconta. Muitos acham que contar histórias não é nada difícil, mas poucos sabem o complexo trabalho de se entrevistar pessoas, de fazer com que as mesmas confiem em você, de mostrar muitas vezes o que quer ser escondido, de relatar os fatos, de realizar perguntas em momentos difíceis ou em momentos que nem você gostaria de estar lá,de descrever sentimentos, essa é a função do jornalista, essa era profissão de Irênio.

Irênio de Faro era jornalista, era escritor, era contador de histórias, era pai, avô, companheiro e amigo.  É com muito pesar que nos despedimos nesta terça-feira(5), desse grande profissional e desta pessoal tão especial, hoje ficamos somente com as lembranças de Irênio, mas o que são as pessoas se não lembranças e saudades de momentos tão felizes?

Irênio foi por muito tempo um importante colaborador da Somos Editora. Seus textos, mais que informativos eram também, em sua maioria de homenagens! Homenagens a grandes pessoas que marcaram suas épocas com atitudes, e assim é com grande prazer que temos hoje a oportunidade de homenagear o jornalista Irênio, que assim como tantos personagens de seus textos foi um grande herói de sua época.

Irênio de Faro nasceu em 10 de novembro de 1929, em Aracaju (SE). Trabalhou no Rio de Janeiro na Rio Gráfica e Editora,  Jornal do Commercio, Jornal do Brasil, O Globo e Conselho Federal dos Representantes Comerciais (Confere).

Em São José dos Campos (SP), atuou como assessor de imprensa da Embraer e como redator de economia no jornal Valeparaibano.

Em Brasília (DF) foi editor de Infra Notícias e Infra News, publicações com noticiário da Infraero, em Português e Inglês.

No Exterior atuou como autor de artigos, em Inglês, nas revistas Rolls-Royce Magazine e Light Metal Age. Na redação de matérias, para o Jornal do Commercio, nos seguintes países: Uruguai, Venezuela, Estados Unidos, Senegal, Marrocos, Portugal, França, Mônaco, Inglaterra e Alemanha, ainda foi vencedor do Prêmio Festival da Cerveja, com estada de uma semana em Lisboa.

Foi com grande prazer que tivemos Irênio como colaborador do nosso blog por muito tempo!

Conheça os últimos post’s de Irênio na Somos Editora:

Mulheres na Aviação: Capitulo I, II, III e IV

Aviação e Espaço

Homenagem a sua neta Bruna

Conheça seu blog particular aqui.

Comente este post


Faro

Irenio de Faro

Empresa fornecerá 20 aeronaves de ataque leve para a Força Aérea dos Estados Unidos. Negócio está avaliado em US$ 427 milhões.


A Força Aérea dos Estados Unidos anunciou  a Embraer Defesa e Segurança como vencedora da concorrência avaliada em US$ 427 milhões para o fornecimento inicial de 20 aeronaves Super Tucano para o programa LAS (Light Air Support), ou apoio aéreo leve.
Há ainda a expectativa de compra de mais aeronaves, podendo chegar ao total de 55, em um contrato de até US$ 1,1 bilhão.
Essa é a segunda vez que a fabricante com sede em São José dos Campos é declarada vencedora.
Em janeiro de 2012, os Estados Unidos suspenderam a compra, em decisão motivada pela abertura de processo pela norte-americana Hawker Beechcraft, ‘rival’ da Embraer, excluída da disputa em novembro de 2011 por não atender exigências previstas.
As aeronaves serão fornecidas em parceria com a Sierra Nevada Corporation e utilizadas em missões de treinamento avançado em voo, reconhecimento aéreo e apoio aéreo tático, com finalidade de operar em missões de vigilância de fronteira e ataques contrainsurgência no Afeganistão e segurança nacional.
“Esta escolha confirma que o A-29 Super Tucano é a aeronave mais efetiva para as operações LAS. Estamos prontos para começar a trabalhar e honrados em poder apoiar o governo dos Estados Unidos e seus parceiros com a solução de melhor custo-benefício”, disse em nota Luiz Carlos Aguiar, presidente da Embraer Defesa e Segurança.
Além das 20 aeronaves, o contrato inclui equipamentos para treinamento de pilotos no solo, peças de reposição e apoio logístico. A aeronave selecionada para o programa LAS será construída em Jacksonville, Flórida.
“Nosso compromisso é avançar com a estratégia de investimentos nos Estados Unidos e entregar o Super Tucano no prazo esperado e conforme o orçamento contratado”, afirmou Aguiar.
A Embraer não informou quando será o início das entregas. Anteriormente, as primeiras entregas estavam previstas para o 3º  trimestre de 2014.

Concorrência. Com a vitória, a Embraer bateu um único adversário na concorrência, o AT-6, da norte-americana Hawker Beechcraft.
Fornecer equipamentos militares para os Estados Unidos não é uma tarefa fácil, transformando o Super Tucano da Embraer em ‘vitrine’ no mercado internacional.

Venda vira ‘vitrine’ internacional

Com a vitória na concorrência nos Estados Unidos, a Embraer entra no maior mercado de defesa do mundo.
Para Marcos José Barbieri Ferreira, pesquisador de indústria aeronáutica e defesa e professor da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), a vitória consolida a fabricante como uma grande concorrente mundial. “Essa venda mostra a qualidade e a competência que a Embraer tem. É uma grande vitória”, disse Barbieri. Segundo ele, o Super Tucano deve ser visto, a partir de agora, como uma grande aeronave no mercado.
“Se tornará uma vitrine para outros países com toda a certeza. Isso é importante no cenário aeronáutico”, afirmou.
Segundo a Embraer, a aeronave está em operação em nove forças aéreas ao redor do mundo e, há mais de cinco anos, emprega armamentos inteligentes em missões operacionais reais.

__________________________________________________________

Confira nossa linha de livros infantis!

4 comentários - Comente este post




Somos Editora | Av. Dr. Adhemar de Barros, 1817 | São José dos Campos | SP | Fones: 12 3322-9113 / 3322-9114 | email: contato@somoseditora.com.br